Olá, pessoal do MSG!

A partir de agora, além de compartilhar os preparativos do meu casamento lá no CSG, também vou dividir com vocês minhas experiências como dona de casa, rs.

Atualmente, minha rotina tem sido bastante corrida: de manhã estou concluindo o curso de Jornalismo na Universidade Estadual da Paraíba (UEPB); pela tarde faço estágio no jornal A União, o terceiro mais antigo em circulação no Brasil; e à noite tenho que me virar pra cuidar do casamento, da casa e do meu cachorrinho Fortunato (alguém assistiu Amores Roubados aí?), além de escrever meu trabalho de conclusão de curso e, ainda, cuidar de mim e do meu quase maridão. Ufa! Com uma vida dessa, dá pra entender porque eu não dispenso uma cerva no fim de semana, né? hahaha

Bem, como Parceira da Cidade, nos próximos posts vou dar dicas de passeios em Campina Grande, aqui na Paraíba, e várias opções de lazer. Engraçado que só percebi como podem ser variadas essas opções quando fiz uma matéria sobre o turismo da cidade…

Hoje, trouxe um pouco da história de Campina pra vocês:

Desde que foi elevada à condição de cidade, em 1864, Campina Grande se desenvolveu muito. Com o passar de 150 anos , tornou-se um dos municípios mais importantes da Paraíba: pólo comercial e industrial, referência em tecnologia e cultura, além de ser conhecida como cidade universitária, já que abriga milhares de estudantes de faculdades públicas e particulares todos os anos.

No Carnaval, predominam os eventos religiosos. Alguns deles são: o Encontro da Nova Consciência, que promove uma cultura de paz e respeito entre as religiões; o Crescer, da Igreja Católica; o MIEP – Movimento de Integração Espírita Paraibano; e o encontro judeu Amigos da Torá. E não podemos nos esquecer dos blocos, como o Jacaré do Açude Velho, que desfila com uma proposta ecológica em parceria com as cooperativas de reciclagem da cidade; o Ferro Folia, do bar Ferro de Engomar; o Rubacão da Socorro; entre outros.

campina-grande-jacare-do-acude-velhoFoto: Rede de Notícias

Em Junho acontece o Maior São João do Mundo, criado em 1984 pelo então prefeito Ronaldo Cunha Lima. A festa, que esse ano será entre os dias 06 de junho e 06 de julho, dura 30 dias, com shows no Parque do Povo. Já subiram ao palco grandes atrações como Elba Ramalho, Geraldo Azevedo, Dominguinhos, Zé Ramalho, Fagner, Gilberto Gil, Zezé Di Camargo e Luciano, Clã Brasil, Monobloco etc.

campina-grande-sao-joaoFoto: Paraíba Total

E a programação paralela que acontece em vários bairros da cidade também é aquecida. Nessa época, também é tradicional o passeio no Trem do Forró, que sai da Estação Velha (localizada próxima ao Açude Velho), com destino ao distrito de Galante. Outras opções de lazer são a Fazenda Santana e a Casa de Cumpade, muito conhecidas pela paisagem e comida regional.

Já o Festival de Inverno de Campina Grande foi criado em 1976 pela dramaturga Eneida Agra Maracajá, e também leva a cultura de maneira descentralizada para os bairros da cidade. Já se apresentaram no Festival grandes nomes como Lenine, Zélia Duncan, Arnaldo Antunes etc.

Campina ainda dispõe de vários museus, como o Museu Fonográfico Luiz Gonzaga, Museu do Algodão, Museu do Telégrafo, Museu Vivo de Ciência e Tecnologia, Museu de Artes Assis Chateaubriand, MAC, Museu dos Três Pandeiros, entre outros. E dentre os teatros mais importantes da cidade estão o Teatro Municipal Severino Cabral, Teatro do SESC e o Teatro da FACISA.

campina-grande-museu-fonografico-LGNão é lindo esse portão? – Foto: Forro em Vinil

Para comprar produtos hortifrutigranjeiros, alimentos naturais, roupas, acessórios, artigos para o lar, e ainda saborear os pratos típicos da região, nada melhor do que as feiras: a Central e a do bairro da Prata. Na feira da Prata, por exemplo, é possível encontrar todo tipo de bugiganga, como óculos, próteses dentárias e até vasos sanitários pra venda ou troca!

campina-grande-feira-da-prataPra vocês verem como não é mentira! – Foto: Blog Rainha da Borborema

À noite, é possível curtir restaurante e bares pra todos os gostos, preços e públicos. Exemplo disso são locais como o Bar do Cuscuz, o Botequim dos Artistas (pra família ouvir uma música ao vivo) ou os mais alternativos, voltados para o público jovem, como o Vitrola e o Bar do Tenebra, com shows de bandas e artistas da região.

Falei bastante, né? Tomara que eu tenha aguçado a curiosidade de vocês… Em breve postarei dicas de passeios mais específicos, tanto de Campina como das cidades vizinhas. Qualquer dúvida ou sugestão de pauta, vocês podem mandar pra mim por aqui ou por email 😀

Beijos!

assinatura_bianca-dantas

PS: a foto principal é do Emerson Saraiva 😉

NO COMMENTS