Você nunca se pegou pensando algo do tipo: “Acabei de me casar. E agora?”. Por mais que você converse com sua mãe, sogra, amigas e outras tantas mulheres casadas, existem coisas que você precisa saber que elas talvez não te contaram. Quando eu me casei passei por certas coisas, e confesso que até pouco tempo passava, que me deixavam perdida e LOUCA!!! Da bagunça na casa aos sentimentos esquisitos no relacionamento a dois. Simplesmente TUDO muda depois que se casa, ou se vai morar junto, e no post de hoje vou te dar dicas de como driblar essas situações todas.

Mas antes, um aviso: O intuíto desse blog não é o de apenas ser dos casados. Como o nome diz: “Morando sem Grana” tem os que moram sozinhos e os que dividem teto com outras pessoas e “vivem sem grana”. Por isso vamos falar de todas essas realidades aos poucos, okay?

voce-precisa-saber-que

1. Você cresceu e todas as dores e delícias da vida adulta chegaram!

Quando se mora com os pais, rola uma mágica: a dispensa está sempre cheia, assim como as panelas. A casa está quase sempre limpa e suas roupas passadas, dentro do armário. Mágica o escambau: é sua mãe ou a faxineira. Quando nos casamos isso tudo vem pra gente e por mais que você conte com a ajuda da diarista, a responsabilidade de sempre saber o que se tem no armário e o que falta, de controlar o volume do cesto de roupas sujas, de pagar as malditas contas de consumo  – aja salário ou não – é do casal!

E esse negócio de deixar só pra mulher, tá mais ultrapassado que relógio de bolso. Homem também tem que se envolver com as coisas da casa. ajudar nas tarefas, saber das contas, planejar junto com a esposa e tudo mais.

2. Você é o dono do seu lar. Não deixe que sua família tome conta do seu espaço!

Polêmico mas simples: quanto mais gente se meter no seu relacionamento e na forma que você conduz as coisas na SUA casa, mais rapidamente seu casamento corre pro fim. Opinião e conselho de mãe e sogra são bem vindos (com moderação). Família vira visita e você também na casa deles.

3. É humilde mas é seu!

Casa alugada, emprestada ou compartilhada não é melhor e nem pior que casa própria. É SUA casa. Quando eu fui morar com o Thiago ganhamos uma monte de móveis e pouca coisa, até hoje, fomos nós que compramos de fato. Ainda assim eu coloco toalhinha de crochê em cima, arranjo de flores e digo: “Essa é minha casa. Como é bom voltar!”.

Se o seu sonho da casa própria ainda não se concretizou, permita-se viver bem e feliz onde estiver. Mude os móveis de lugar, pinte as paredes, coloque um disco na vitrola e vá viver plenamente esta fase ♥

4. Não tem festa todo dia. Acostume-se!

Nem de sexo e nem do resto. Só o casal pode definir a frequência de intimidade e cada um sabe seus limites. Não se afobe ou se culpe tentando agradar ou achando que tudo esfriou pós namoro. Outra coisa que muda são as saídas com a galera e as baladas de finais de semana. O casal quer se curtir e sossegar na casa nova e a rotina semanal, que cansa tanto, pede por isso.

5. Não existe casa e nem mundo perfeito

Aceite: a louça pode ser lavada amanhã e a bagunça não é mais importante que ele(a)! A nossa ânsia por manter tudo organizado e impecável como em uma casa de bonecas é besteira! Com o passar do tempo sua casa vai ficando a cara de vocês e a organização um assunto mais suave. O importante é existir um acordo de cooperação. Nós demos uma força com um Organograma de Limpeza Semanal da Casa, lembra?

6. Um não é do outro

Sabe aquele ciuminho do namoro? Esqueça-o!
Casamento, filhos e nem outro tipo de compromisso garantem uma ” castração” de vontades. Não podemos impor ao outro nossas vontades e conduta. Se você quer “sossegar” em casa agora que casou mas o outro quer sair e se divertir, comece pelo diálogo até que se chegue a um meio termo. Não havendo, mesmo com muita conversa, esteja ciente de que existem outros caminhos na vida fora o casamento. Por mais que eu creia piamente no amor e nesse tipo de compromisso não sou dona do meu parceiro e a hora que o outro desejar partir…ué, o que se pode fazer? Morrer de sofrimento? Estagnar minha vida? ou forçá-lo a ficar e ambos sofrermos por longos e longos anos?

Acorde: contos de fadas não existem.

7. Se cobrar demais é prejudicial

Reforçando toda a mensagem até agora, tome cuidado para não transformar sua rotina num fardo por causa da inquietação. Faça um pouco por dia, respeite seu corpo e os sinais de cansaço e não espere por aplausos e agradecimentos. Simplesmente faça sua parte em prol de um lar confortável e de uma vida a dois equilibrada. Esqueça os modelos de mesas postas da revista ou do blog da fulana. Respeite seus gostos e origens e viva como sempre sonhou em viver. Essa é sua nova casa e sua nova vida.

 ***

Espero não ter sido muito dura. Mentira, espero que sim porque começo de convivência não é fácil e se você não se “libertar” será pior.

Permita-se começar com tudo, sem cobranças mas com muita força de vontade e foco no futuro 😉

Até breve
Beijos da Sam!

NO COMMENTS